A História de Igrith - Parte 03 de 03

Aqui apresentamos a última parte do background de Igrith, após ter enfrentado horrores em sua vida, finalmente encontrou um pouco de paz em sua vida. Porém sua história está apenas começando, e há muitos desafios que a menina precisará enfrentar.
Caso não tenha lido o início da história de Igrith, clique aqui para acessar a parte 1 ou clique aqui para acessar a parte 2.
Lembrando que essa história não é recomendada para menores de 14 anos.

A História de Igrith - Parte 03 de 03

"Esta talvez tenha sido a última noite em que pôde contemplar a felicidade, pois o dia seguinte lhe reservava apenas o de sempre, dor e sofrimento..."

 

O MAU RETORNA

O dia amanheceu e o sol atravessava a janela.

A menina viu que o oficial não estava no quarto e decidiu sair para procurá-lo. Informada de que o mesmo saíra bem cedo, ficou intrigada e pensou que talvez ele pudesse ter encontrado algo na fazenda e não queria que ela soubesse. Talvez a estivesse protegendo.

A menina não se aquietou e foi em direção à fazenda, torcendo para encontrar seu protetor e descobrir o que ele poderia ter achado.

Logo quando entrou, a menina sentiu uma atmosfera pesada. Pensou ser seu medo tentando afastá-la, mas logo descobriu que eram seus instintos que a estavam avisando do perigo.

Em uma das salas Igrith encontrou rastros de sangue. E com cautela os seguiu.

Os rastros seguiam até um porão e adentrando-o, sentiu seu corpo estremecer à visão que estava a sua frente.

A figura jogada num canto possuía longos e grotescos tentáculos. Sua pele parecia queimada e vários cortes podiam ser vistos, vertendo sangue.

Era humanoide, porém com muitas modificações e deformidades. Parecia pedir ajuda, mas a menina não teve chance de agir.

Um machado descera sobre a criatura, e sua cabeça estava agora separada do corpo, ambos pulsavam e aquele que empunhara o machado sorria frenética e lunaticamente.

Esguio e vestido com roupa de circo, o homem que decapitara a criatura olhava a menina nos olhos.

Seu rosto estava encoberto por uma máscara de couro e seus dedos pareciam atrofiados, mesmo os que empunhavam o machado.

"O velho está te esperando criança. Sua alma lhe pertence".

A voz soou rouca e abafada. O corpo da menina estremeceu e paralisou-se. Ela estava apavorada.

Quando o mascarado disparou em sua direção, ela não teve reação. Estava aterrorizada pelas palavras dele.

A lâmina próximo de seu corpo, quando um estampido abafado soou, fazendo o mascarado parar.

O oficial chegou no momento certo, disparando com sua arma de bolso, acertando o ombro do malfeitor.

 

O CONFRONTO

Quando o terror amenizou-se, a menina percebeu que seu amado oficial estava lutando contra o mascarado e gritando para que ela fugisse.

Seus reflexos não estavam lhe obedecendo. A menina queria lutar e fugir, mas não conseguia.

Foi o golpe do mascarado e o sangue de seu protetor a jorrar que a fez tomar uma decisão.

A menina sacou um pergaminho e recitou as palavras.

O mascarado perdeu a reação, conforme esperado, e a menina pôde correr em proteção do oficial.

O oficial, mesmo sangrando, aproveitou a deixa e estocou com golpe fatal o mascarado.

O corpo do malfeitor caiu ao chão no mesmo tempo em que o oficial caíra nos braços da menina.

Em agonia, o oficial entregou à menina a carta de recomendação e em seus últimos suspiros disse a ela onde encontrar as informações que precisava.

As lágrimas da menina correram por um longo período. Mas agora, algo muito diferente estava acontecendo. O velho a estava procurando e a menina precisava saber o porque.

Dois dias depois da morte do oficial, a menina decidiu buscar as informações que ele havia deixado.

Seus arquivos pessoais continham revelações surpreendentes. Inclusive uma investigação sobre Albreth Montgomery, o pai da menina.

Aparentemente os antepassados de Albreth pertenciam a uma linhagem diferente, porém não detalhada.

A menina passou a entender que o interesse do velho fazendeiro, ali nomeado como Zacar, era de gerar uma criança dessa linhagem, e não escravos, como a menina pensou.

Mas que linhagem seria essa a que a menina pertence? E que criatura seria esse Zacar? Seria um Demônio mercador de almas? A menina precisava descobrir.

Os arquivos do oficial também continham uma identidade nova para a menina. Lá ele explicava sobre a necessidade dela não ser localizada pelo velho.

Igrith, como sua mãe, seria o novo nome da menina. Seu passado não existiria mais.

Uma oficial aspirante, uma investigadora iniciante. Essa seria a profissão de Igrith. Somente assim poderia chegar ao fundo dessa história no anonimato.

Hoje Igrith segue o que o oficial lhe ensinou e, de caso em caso, busca as pistas que possam levar ao paradeiro de seu pai e a resposta para o mistério de sua linhagem.

Porém, a sede de justiça e a caça por Zacar é sua maior motivação.

 

E NOVAS AVENTURAS PODERÃO SURGIR

E chega ao fim essa história de origem da personagem Igrith. Mas com certeza você ainda vai encontrá-la em outros relatos, contos ou passagens aqui no Universo Alenda.

O que achou da história? Quais os novos casos podem chegar a ser desvendados por Igrith? Será que ela vai encontrar os segredos de sua origem e finalmente selar o fim de Zacar?

Caso queira conhecer as respostas, fique por dentro das postagens que sairão toda semana.

Para ser avisado de novas publicações e novidades, siga nas redes sociais ou então cadastre-se no site.

Se foi divertido para você, compartilhe para que outras pessoas possam se divertir com a leitura e vocês possam discutir sobre possíveis teorias.

Vejo você nas próximas lendas.. muito obrigado!!

Enviando Comentário Fechar :/
Desenvolvido por Alenda Digital
Voltar ao topo
X

Fale Conosco:

Aguarde, enviando contato!